Acessibilidade

Como construir uma cadeia de abastecimento mais resistente a riscos?

19 março 2019

Os perigos e disrupções de hoje precisam de novas soluções eficientes; aumentar a visibilidade da cadeia de abastecimento é um deles.

O Relatório de 2017 de Resiliência da Cadeia de Abastecimento do Business Continuity Institute (BCI) mostrou que as três principais causas de disrupção da cadeia de abastecimento são interrupções de IT e telecomunicações, ataques cibernéticos e violações de dados e perda de talentos, todos afetando organizações independentemente da região, setor ou tamanho. Outras figuras reveladoras do relatório:

  • 69% não têm visibilidade total das cadeias de abastecimento
  • 51% das perdas não tinham seguro
  • 65% das empresas pesquisadas sofreram pelo menos uma interrupção na cadeia de abastecimento
  • Perturbações que custam mais de um milhão de euros aumentaram de 9% para 23%
  • 26% das empresas não têm acordos de continuidade para lidar com interrupções na cadeia de abastecimento

Como podem as empresas de hoje reduzir os riscos da cadeia de abastecimento? O que podem elas fazer para evitar os custos potenciais da interrupção da cadeia de abastecimento e garantir crescimento e prosperidade sustentáveis? Algumas das medidas que podem ser tomadas incluem melhorar a visibilidade da cadeia de abastecimento, identificar vulnerabilidades da cadeia de abastecimento, desenvolver estratégias de mitigação de riscos, diversificar fornecedores e otimizar os níveis de stock de segurança para garantir capacidade de produção contínua, abordar proativamente ameaças cibernéticas e fortalecer a colaboração e comunicação com parceiros.

Como a análise avançada pode diminuir o risco
Analytics é uma ferramenta cada vez mais eficaz para lidar com as vulnerabilidades da cadeia de abastecimento. Josh Green, CEO e fundador da Panjiva, uma fonte abrangente de informações para a comunidade global de comércio, fala sobre dois “avanços” recentes em analytics: “O primeiro foi simplesmente consciencialização - os gerentes da cadeia de abastecimento começaram a entender que poderiam e deveriam fazer uso de dados, assim como muitas outras funções de negócios.”
Ele continuou: “O segundo foi o surgimento da aprendizagem automática como uma ferramenta para organizar dados. Há muita informação a ser extraída dos dados, mas o problema é que os dados da cadeia de abastecimento são, em geral, uma desordem. As técnicas de aprendizagem automática colocam-nos numa posição melhor para organizar os dados, para que possamos ter uma chance melhor de encontrar os insights úteis.”Analytics pode ajudar a aumentar a visibilidade e fornecer insights mais profundos sobre toda a cadeia de abastecimento, melhorar a eficiência geral, prever melhor as necessidades dos clientes, acelerar os tempos de reação e, é claro, avaliar melhor o risco da cadeia de abastecimento de ponta a ponta.

O papel do seguro na sustentabilidade
Quando se trata do desafio da visibilidade da cadeia de abastecimento, Nick Wildgoose, Líder Global de Produtos da Cadeia de Abastecimento da Zurich Insurance, é enfático: “É mais importante compreender adequadamente os seus fornecedores críticos - os responsáveis pela maior proporção dos seus lucros. Ainda me choca quando falo com equipas de compras em algumas das maiores empresas do mundo, e elas admitem que nunca verificaram a exposição natural à catástrofe dos seus principais fornecedores. Eles podem depender de um único local no Sudeste Asiático para 30% de sua produção, sem nunca ter verificado a probabilidade de uma inundação ou um terremoto ocorrer lá.”
Se as empresas não podem manter operações contínuas ou financiar as suas perdas após um acidente, estas falharão. Embora o seguro não consiga impedir a ocorrência de acidentes e subsequentes interrupções, é uma fonte crucial de indeminização por perdas se e quando os eventos segurados se concretizarem.

A importância da gestão proativa de riscos
Gary Neights, gerente de produto da Elemica, afirma que “com o aumento de desastres naturais, violações de segurança cibernética, fatores socioeconómicos imprevisíveis e procura flutuante dos clientes, as empresas precisam estar preparadas para lidar com quase tudo”, incluindo perdas que podem incluir fornecedores e clientes. bases, instalações de produção, distribuição, armazenamento e logística, vias ou modos de transporte, membros das suas forças de trabalho e até propriedade intelectual.
“Com tanto potencial para perdas devastadoras, as empresas de hoje precisam ser proativas, em vez de reativas nas suas prioridades e práticas de gestão de risco.
A menos que o processo seja contínuo, as empresas nunca estarão à frente dos riscos; estarão sempre em posição reativa, enfrentando o problema”, conclui Neights.

Quatro passos concretos para mitigar os riscos da cadeia de abastecimento

  1. Detetar vulnerabilidades da cadeia de abastecimento com uma análise de impacto nos negócios. Ao identificar os seus principais processos de negócios e os recursos e atividades necessários para administrar os seus negócios, poderá avaliar os fatores de longo e de curto prazo que podem representar ameaças e riscos para o sucesso de sua cadeia de abastecimento e os cenários através do qual estas ameaças, riscos e vulnerabilidades podem evoluir. Concentre os seus esforços naqueles que podem impactar a sua linha de fundo mais. Isso permitirá que responda com rapidez e eficiência quando ocorrerem interrupções.
  2. Avalie e monitorize os seus fornecedores, novos e existentes. Uma avaliação completa dos recursos, capacidades, reputação e saúde financeira dos seus fornecedores é vital para entender a sua exposição ao risco da cadeia de abastecimento e atenuar proativamente esse risco. Analise de perto os processos e políticas de segurança cibernética dos seus fornecedores, especialmente no que diz respeito a seus procedimentos internos de segurança de IT.
  3. Assegure inventário adequado com múltiplas linhas de abastecimento. Ao reduzir sua dependência de linhas de abastecimento únicas, o risco de interrupção será aliviado. Confiar no abastecimento de um único fornecedor, país ou região pode ser desastroso. Para maior segurança, crie relacionamentos com fornecedores primários e secundários alternativos de diferentes regiões geográficas. Garantir que tenha uma base diversificada de fornecedores pode salvar sua empresa se um determinado país ou região não puder mais responder às suas necessidades.
  4. Colabore com fornecedores e outros parceiros. Partilhar informações, integrar atividades e implementar informações entre si e os seus parceiros da cadeia de abastecimento é fundamental para construir relacionamentos sólidos que aumentem a confiabilidade e garantam que os seus planos de risco da cadeia de abastecimento sejam seguidos.

Ao implementar estas e outras medidas, pode tornar sua cadeia de abastecimentos mais resistente a riscos. Pergunte a si mesmo: se a sua empresa sofreu uma interrupção significativa hoje, até que ponto está confiante de que a sua cadeia de abastecimento poderia resistir à tempestade?

Partilhe